Não Quero Engravidar: Quais os Melhores Métodos Contraceptivos

Não Quero Engravidar: Quais os Melhores Métodos Contraceptivos
Ellen Cristie
Ellen Cristie10, Janeiro - 2021

Você acaba de realizar um dos seus maiores sonhos. Casou-se e agora começa aquela pressão comum da família de que vocês precisam ter um filho.

Mas como assim? Vocês acabaram de se casar, nem curtiram um ao outro direito e já têm que pensar em um rebento? Não é exatamente isso que vocês querem e, para que nada dê errado, o melhor a se fazer é adotar um método contraceptivo seguro, para depois não se arrepender.

Abaixo, listamos os métodos contraceptivos mais utilizados pelos casais para evitar uma gravidez indesejada. Acompanhe:

Preservativo masculino

A tradicional “camisinha” é um contraceptivo colocado no pênis, capaz de reter o esperma, impedindo-o de penetrar no corpo da mulher. O preservativo é um produto descartável, feito de látex ou poliuretano. A vantagem é que, além de proteger contra uma gravidez indesejada, previne contra doenças sexualmente transmissíveis (DST’s).

Preservativo feminino

A “camisinha feminina” é um contraceptivo inserido na vagina antes da penetração do pênis, para impedir a entrada do esperma no útero. Ele é pré-lubrificado à base de silicone, água ou óleo, todos utilizados para melhorar o desconforto e o ruído que o preservativo provoca. Assim como o preservativo feminino, esse método contraceptivo reduz o risco de contrair doenças sexualmente transmissíveis (DST’s).

Espermicida

Em forma de geleia, o espermicida é uma substância química comprimida, em creme, tablete ou espuma e deve ser colocado na vagina 15 minutos antes da relação sexual. O produto serve como barreira ao impedir o contato dos espermatozoides com o útero.

Os espermicidas geralmente são utilizados associados a outros métodos de barreira (como o diafragma). Usados isoladamente, não têm eficácia no sentido de impedir uma gravidez. Há mulheres que reclamam do produto por provocar reações alérgicas.

DIU (Dispositivo intrauterino)

Aparelho pequeno e flexível, o dispositivo intrauterino é inserido dentro do útero. O método somente pode ser utilizado sob prescrição médica, já que a mulher precisa estar saudável, sem patologias como: tumores pélvicos, doença inflamatória pélvica, vaginites, entre outros.

O DIU se apresenta em vários modelos e deve ser implantado somente por profissional de saúde para que não haja perigo de alguma complicação ou infecções.