Por Que Emagrecer Antes de Engravidar?

Por Que Emagrecer Antes de Engravidar?
Ellen Cristie
Ellen Cristie28, Dezembro - 2020

Ter um filho é uma decisão muito importante na vida de um casal e, especialmente, na vida de uma mulher. Muitas transformações ocorrem desde o planejamento da concepção até, propriamente, a chegada do bebê.

Muitas vezes, ao consultar um médico antes mesmo de engravidar, ele aconselha que parte das pacientes emagreça para, posteriormente, tentar ter um filho. A primeira pergunta que passa na cabeça da mulher é “mas qual é o motivo, se várias amigas engravidaram mesmo gordinhas e deu tudo certo?”.

Realmente, são inúmeros os casos. Mas lembre-se: é uma sugestão, um conselho de um especialista. E não é em vão. Embora o sobrepeso não seja um fator determinante para impedir a gravidez, é sabido que o peso excessivo altera algumas funções hormonais e metabólicas, interferindo na ovulação e afetando a capacidade de a mulher engravidar.

Sendo assim, listamos abaixo 8 razões para você reduzir o peso antes da gravidez. Veja:

1. Ovulação

Segundo os especialistas, mulheres com ovulação irregular e com índice de massa corporal (IMC) superior ao considerado normal, que estão na categoria de sobrepeso ou obesidade, têm menores chances de engravidar.

2. Estrogênio

Os quilos a mais contribuem para a produção, em excesso, de células adiposas, responsáveis por aumentar a produção de estrogênio. Esse hormônio em quantidades elevadas acaba por alterar a ovulação – alternando períodos sem ovulação ou ovulações fora do período. Com isso, fica mais difícil determinar os períodos férteis.

3. Endometriose

De novo o excesso de estrogênio contribui para o aparecimento da endometriose (distúrbio em que o tecido que normalmente reveste o útero cresce fora dele) e de fibromas (miomas, geralmente benignos, formados por tecido muscular e que se localizam no útero). Ambas as patologias podem comprometer a fertilidade.

4. Síndrome da resistência à insulina (SRI)

O sobrepeso, aliado à falta de ovulação, podem contribuir para o surgimento da síndrome de resistência à insulina (SRI). Para descartar a SRI, é preciso fazer um exame que mede a curva de glicemia para fazer o diagnóstico e prescrever o tratamento adequado. Se for positivo o resultado, é importante modificar hábitos alimentares e reduzir o consumo de açúcar.

5. Fertilidade

O sobrepeso está associado ao hipotireoidismo, que compromete a fertilidade. Além disso, a obesidade afeta o endométrio e, consequentemente, a capacidade de implantação do embrião e predispõe a mulher a complicações na gravidez, como diabetes gestacional, pré-eclâmpsia e abortos espontâneos.

6. Síndrome do ovário policístico (SOP)

Ciclos menstruais irregulares e múltiplos cistos nos ovários. A síndrome do ovário policístico (SOP) tem extrema relação tanto com o sobrepeso quanto com a obesidade. Os ovários acabam por produzir um excesso de hormônios, como androgênio e estrogênio, causadores de problemas na ovulação.

7. Influência sobre o bebê

Grávidas com excesso de peso têm mais chances de dar à luz bebês com peso acima da média. Além disso, essas crianças correm mais riscos de se tornar obesas ainda na primeira infância. A relação entre o ganho de peso da mãe na gestação e o sobrepeso da criança pode ser de origem genética ou comportamental, pois os filhos acabam herdando os hábitos alimentares da família.

8. Índice de massa corporal (IMC)

Não há um consenso entre os especialistas sobre quantos quilos a mulher deve engordar na gestação – uns recomendam entre 9 e 11 quilos; outros entre 11 e 15 quilos -, mas a mulher deve sempre ficar atenta ao índice de massa corporal (IMC) antes de engravidar, já que quanto maior for esse índice, menos ela deve engordar.

E se eu não conseguir perder peso antes da gravidez?

Os quadros de sobrepeso e obesidade geralmente precisam de um acompanhamento médico e/ou nutricional para a redução de medidas. O mais recomendável é procurar um especialista antes de pensar em gravidez.

Os especialistas nas áreas de ginecologia, endocrinologia e nutrição poderão fazer um acompanhamento personalizado, direcionado ao seu caso. O tratamento deve constar de dieta e atividade física. Com o tratamento adequado, a mulher pode regular a ovulação e aumentar as chances de engravidar.

Vale destacar que a dieta deve ser a mais saudável e natural possível. Nada de dietas extremas ou que se apoiem em medicamentos que podem, inclusive, fazer mal ao organismo e à fertilidade, especialmente neste momento em que o objetivo é a gravidez.

Não é impossível perder peso antes de engravidar, mas com certeza vai exigir de você disciplina e força de vontade. Vamos começar?