O Que Caracteriza Uma Gestação de Alto Risco?

O Que Caracteriza Uma Gestação de Alto Risco?
Ellen Cristie
Ellen Cristie29, Dezembro - 2020

Uma gravidez de alto risco pode ser caracterizada por algum problema – da gestante ou do bebê – que aumenta as chances de evolução desfavorável da gravidez. Quando isso ocorre, o acompanhamento médico durante o pré-natal deve ser intensificado.

Quais mulheres podem apresentar alto risco na gravidez?

No grupo de alto risco, incluem-se mulheres que tiveram complicações em gestações anteriores, pacientes com mais de 35 anos, com doenças crônicas (cardiopatias, problemas renais, auto-imunes ‘lúpus’, tabagistas, alcoolistas, usuárias de drogas etc.), distúrbios metabólicos, da tireoide, diabetes e hipertensão, mesmo que saudáveis e que apresentaram essas patologias durante a gravidez.

Entre os principais riscos e complicações possíveis, alguns são mais comuns. Veja:

  • Parto prematuro
  • Baixo peso ou peso excessivo ao nascer
  • Infecção neonatal
  • Falência da placenta

No caso de mulheres com doenças graves anteriores, como hepatite, doenças neurológicas, hipertensão arterial, entre outras, o mais indicado é que o especialista seja procurado antes mesmo de a mulher engravidar. Caso ela engravide, o obstetra dará a essa paciente atenção especial, com redução do período entre consultas, dependendo da necessidade.

Mulheres com mais de 35 anos

Posteriormente, o ginecologista ou obstetra deve alinhar suas prescrições às do médico especialista para que a gravidez transcorra de forma saudável e natural. Já mulheres com idade superior aos 35 anos, devem estar atentas aos riscos de diabetes gestacional, prematuridade, abortamentos e hipertensão específica da gravidez – todos processos comuns em gravidez tardia.

Nesse caso, o pré-natal vai exigir exames adicionais, como um teste de glicemia em jejum todos os meses para dosar o nível de açúcar no sangue. Por volta das 28 semanas de gestação, é feito o teste de tolerância à glicose e o controle da pressão arterial.

Doenças crônicas

Doenças como hipertensão e diabetes, desenvolvidos antes ou durante a gestação, levam riscos ao desenvolvimento do bebê. Algumas consequências são pré-eclâmpsia, complicações no parto e prematuridade.

Além disso, a falta ou o excesso de peso impactam o feto. Se no primeiro caso a mãe não apresenta nutrientes suficientes para fornecer ao filho, no segundo a obesidade pode ser responsável pelo desenvolvimento de doenças como diabetes no próprio bebê.

Reprodução assistida

Caso um bebê tenha sido gerado via reprodução assistida, essa gravidez também passa a ser considerada de risco. É que durante o processo de fertilização in vitro, não existe o corpo lúteo – estrutura do ovário responsável por produzir progesterona e estrogênio para dar suporte à gestação